“Me recordo de uma noite. Eu olhava para o céu e tocada pela emoção fiz uma prece. Pedi para quem estivesse escutando, que eu seguisse meu coração, pois sabia que ali também habitava Deus. Esqueci de muitas coisas nos anos seguintes, menos da oração. Na minha vida, algumas situações latejavam como uma dor de cabeça chata que remediava com desejos. Achava que meu problema era grana, aí consegui um emprego bacana; achava que meu problema eram pessoas, assim me afastei de muitas; achava que meu problema era meu corpo, assim me escondia cada vez mais, negando o prazer. A reza permanecia e um vazio inexplicável também. Busquei fora, tive bons momentos, rápidos, fugazes. Acordava triste no dia seguinte. Mas levava a vida, pensando bem, sempre adorei filmes de zumbis e até me tornei um… Lia muito, em algum momento vi algo sobre o tantra. Imagino que a grande parte das pessoas, assimilam esta técnica a depravação e orgia. Mas eu via o sagrado, uma reconexão com algo maior, tão poderoso que justificava os olhares temerosos de uma sociedade que nega olhar para si. Me lembro que comentei com algumas colegas, só para ouvir ainda mais sobre o pecado. Me senti como a própria Eva e quis abraçá-la.

Mas alguém me disse que nesta vida é preciso ter coragem. Então quando cheguei no limite, pensando mesmo se havia propósito para minha criação, virei a chave. Me joguei, sem pedir nada ou opinião de ninguém. Fui com tanto medo, que dei graças por ter pelo menos ele como companhia. Quando me vi de frente com o terapeuta tântrico, só pude mesmo falar algumas palavras e chorar. Era um amigo ali, tanto que chorou comigo. Me despi das minhas roupas com tanta vergonha, mas a cada peça que tirava, era uma muralha que caia. Senti o toque, meu corpo, tanta amorosidade, que me derramei novamente em lágrimas. Sai transbordando de gratidão, queria abraçar as árvores pelo caminho, dizia boa noite para quem via na rua, gente, gato, cachorro. Temi perder tudo que estava sentindo, mas não. Pois de fato, você não perde o que te pertence, lembra da prece? Deus me habitava. Sou uma antes e depois do tantra. Claro, busco outras terapias para ter cada vez mais ferramentas para meu autoconhecimento, porém a terapia tântrica foi indispensável para eliminar travas e bloqueios corporais para o fluxo em excelência da minha energia vital. Retornei para minha presença. Me toco diariamente, curto quem sou e sinto prazer pela vida. Viver com o coração é viver com coragem, então arrisque. Sua presença aqui neste mundo é sagrada, então a honre-a. Viva com plenitude e prazer. Ouse ser”, com amor RF.

MAITHUNA EXPERIENCE

O Maithuna Experience é um projeto desenvolvido para casais e solteiros, de qualquer gênero, aonde é possível trabalhar o aprimoramento sexual por meio de técnicas tântricas e vivências pessoais dos terapeutas tântricos, Deva Geeta, Ayama Roy e Lídia Madhuri. Em agosto, de 17 a 19, o curso estará em Teresópolis, no Rio de Janeiro. Junte-se a nós nesta aventura recheada de amor e prazer. Para mais informações fale com a terapeuta, Lídia Madhuri no WhatsApp (11) 9.6371-1823 ou envie e-mail para info@maithunaexperience.com.

Siga agora o Maithuna Experience, Deva Geeta, Ayama Roy e Lídia Madhuri nas redes sociais:

@maithunaexperience

@ayama_roy

@lidia.madhuri

@devageeta